Marca Própria tem qualidade?

Expertise

A área técnica da marca própria, chamada muitas vezes genericamente de “qualidade”, na verdade abrange diversas áreas: Regulatórios, Garantia da Qualidade, SAC, Controle de Qualidade, P&D, Consumer Insights, Embalagem e outros.

Resumindo, a “qualidade” está presente em 3 grandes blocos no projeto de marca própria:

PROSPECÇÃO | DESENVOLVIMENTO | GESTÃO

PROSPECÇÃO

  • Definição do projeto

    Não é todo item que podemos desenvolver como marca própria, muitas vezes existe um obstáculo legal, por exemplo, um medicamento de registro possui um cenário muito mais complexo do que um simples sabonete básico. Esses inputs devem ser levantados e discutidos com o comercial antes mesmo de validar algum projeto.

  • Verificação das credenciais do fornecedor

    As empresas devem sempre ser auditadas e ter todos os documentos registrados perante o órgão regulador (MAPA, ANVISA e etc…). Você vai encontrar muitas indústrias super empolgadas para fabricar sua marca própria, e mais, com um custo extremamente baixo. DESCONFIE!

A marca própria é rentável por vários motivos, mas tome cuidado. Diferente de uma marca de indústria, o que está em jogo é a SUA MARCA PRÓPRIA e o que pode ser prejudicada é a reputação da sua empresa.

  • Avaliação do produto

    É muito importante uma verificação completa, desde documentações básicas contendo todas as informações do item até uma análise sensorial detalhada, comparando o produto referência com as opções recebidas na prospecção. Já tivemos diversos casos onde tudo é perfeito: custo, logística, documentações corretas e alinhadas, mas quando é feita uma análise sensorial, o produto não tem absolutamente nada a ver com as características da referência.

Tome cuidado, isso fará muita diferença na venda. Você compraria Pepsi sendo que seu desejo é Coca?

DESENVOLVIMENTO

  • Revisão de texto de embalagem

    Sabia que a legislação é extremamente detalhista nesse quesito? Ela determina tamanhos de letras, posicionamento de texto, alegações possíveis por categoria de produto, ícones e selos obrigatórios (quem nunca viu o símbolo triangular de “transgênico”?). É essencial ter sua embalagem alinhada com a lei, por isso preste bastante atenção se não quiser pagar uma multa e recolher o produto de todas as lojas.

  •  Prova de cor

    Sabe quando você vê seu produto na gôndola e pensa que não tem nada a ver com a arte desenvolvida? Espero que não, pois se você respondeu que sim, é porque pulou essa etapa. Existem inúmeras variáveis que podem causar erros na impressão, por isso a “qualidade” está sempre verificando se tudo está sendo feito corretamente e de acordo com o planejado.

  • Tendências e Consumer Insights

    Devemos sempre estar atentos ao que está por vir. Será que a forma de consumo amanhã, será a mesma de hoje? Existem alternativas para oferecer um produto melhor ao meu cliente? Afinal de contas, o que ele busca? Será que estou resolvendo o problema dele? Esses questionamentos aparecem até nos nossos sonhos, não é à toa que vamos em praticamente todas as feiras de negócios e tendências (FCE Cosmetique, Abradilan, Pet South America, Food Ingredients…).

  • Formulações

    Nós “nerds” adoramos ler rótulos. Somos obcecados, queremos saber de tudo e para que serve cada ingrediente. E quando sabemos, começamos a pensar se existem alternativas que entregariam um benefício maior no resultado do produto. Falamos o tempo todo com indústrias e lemos MUITO, muito mesmo, mas artigos científicos de fontes confiáveis, nada de Fake News!

GESTÃO

Lancei! E agora? Acabei? NÃO, SÓ COMEÇOU!

  • Monitoramento de performance dos fornecedores

    As indústrias no varejo geralmente são avaliadas por seus indicadores de serviço de entrega, atendimento e custo. Nós queremos desenvolver empresas do Brasil, acreditamos em seus potenciais e muitas vezes o que precisam é só de uma pequena ajuda para atingirem um novo patamar, o que pode ser feito através de programas de auditoria, existem muitos cases de sucesso onde um fornecedor regional passou a ser reconhecido inclusive internacionalmente.

  • SAC (Serviço de Atendimento ao Consumidor)

    Recebi uma reclamação e agora?! Muita calma nesta hora, se você seguiu todos os passos acima, certamente terá todos os documentos necessários para comprovar a origem do seu produto.

Caso receba alguma ocorrência no SAC, enxergue como uma oportunidade de melhoria e como uma ferramenta incrível para monitorar a performance dos seus produtos. Pior seria se ninguém reclamasse e parasse de comprar o seu produto!

Tanto trabalho e quanta complexidade! E tudo isso para que? Para desenvolver uma estratégia rentável para o varejo? Fidelizar clientes?

A resposta é “sim” para tudo e estamos revolucionando o consumo aqui no Brasil. Estamos oferecendo uma alternativa para aquela pessoa que no final do mês precisa escolher entre comprar comida ou remédio. Não é oferecer produto barato, mas sim qualidade, através de um comprometimento e preocupação com aquele que está além de nossas lojas.

 

Por Rie Sato

Formada em Farmácia, com MBA em Gestão de Negócios. Especialista em Marcas Próprias, líder de áreas comerciais, desenvolvimento de produtos, auditoria de fábricas, P&D, controle de qualidade em grandes varejistas.