Os segredos por trás de um produto de qualidade

Expertise

Quem nunca se perguntou naquela hora de decidir qual item levar: “será que esse produto é tão bom quanto aquele que eu sempre compro?”. Para conquistar a confiança do consumidor e promover a recompra de um produto é necessário que ele tenha além de um bom custo, QUALIDADE, e isso é essencial para o sucesso da sua Marca Própria!

Assim, para assegurar que o produto da sua marca tenha um desempenho igual ou melhor que os produtos líderes de mercado, é necessário um estudo inteligente de formulação para que o mesmo possua as características sensoriais que o consumidor espera.

No que consiste uma análise sensorial?

Um teste sensorial afetivo consiste em métodos para avaliar a preferência e aceitação de produtos. O objetivo dessa análise é posicionar as amostras em níveis de qualidade perceptíveis, em relação a parâmetros característicos que o consumidor enxerga naturalmente no produto ao utilizá-lo ou consumi-lo no seu dia a dia.

Experimentação

 

No varejo, as análises podem ser aplicadas a produtos de quase todas as categorias, como alimentos, perfumaria ou até mesmo produtos de bazar. Os testes são realizados com as amostras codificadas e descaracterizadas (sem rótulo ou qualquer identificação de marca) para avaliar somente os atributos relacionados à qualidade do produto em si, que na sua grande maioria abrangem:

•Sensações visuais: aparência geral, cor (tonalidade, brilho e homogeneidade), textura visual
(liso/enrugado e brilhante/fosco), tamanho e forma (dimensões e geometria).
•Sensações olfativas: relativas ao aroma (herbal, frutoso, floral etc.) e sensações nasais
(pungente, refrescante etc.).
•Sensações de sabor: relativas ao gosto (doce, salgado, amargo, ácido etc.).
•Sensações de textura: que consideram propriedades mecânicas (dureza, viscosidade e
fraturabilidade), propriedades geométricas (fibroso, granuloso etc.) e propriedades absorventes, que
consistem na capacidade de reter óleos, gorduras e água (suculência, oleosidade etc.).

Os provadores são instruídos a responderem as perguntas para cada parâmetro que podem estar na escala hedônica, por exemplo sabor (em que o melhor desempenho está no topo da escala e avalia “o quanto o consumidor gostou”) ou na escala ideal, por exemplo, intensidade de sal (em que o melhor resultado geralmente está no centro da escala, nem mais ou menos que o ideal).

Escala de análises

Uma vez feito o teste, é hora de interpretar os resultados. Dessa forma, podem ser aplicadas análises estatísticas como de variância, chamada de ANOVA, ou teste de comparação de média (análise Tukey). Tudo isso para saber se existem diferenças significativas entre as propostas e o produto líder de mercado.

Ok, já tenho os resultados sensoriais. É só isso que precisa?

Não! Para garantir que a qualidade e segurança estejam presentes na sua Marca Própria, é necessário também estudar tecnicamente as propostas. Nesta etapa, é feito um resumo comparativo de informações como: tipo de embalagem, shelf life do produto, formulação quantitativa, informações nutricionais e especificações físico-químicas e microbiológicas.

É necessário também, verificar se as propostas estão em conformidade legal com os regulamentos estabelecidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), Instituto Nacional de Metrologia (INMETRO) ou também pela própria legislação federal.

Para alguns casos ainda, além de informações presentes na ficha técnica do produto, são necessários laudos de análise específicos que o fornecedor deve ter em mãos. Por exemplo, digamos que estou desenvolvendo uma toalha umedecida. Este produto é dermatologicamente testado? É hipoalergênico mesmo? Como posso ter segurança de colocar os “claims” (frases apelativas de marketing) que desejo no meu rótulo? Para tudo isso, o fornecedor precisa contar com análises laboratoriais externas ou internas que comprovem os atributos declarados e garantir que o seu produto não corra o risco de ser barrado na fiscalização.

E se no final de todas as avaliações o produto não estiver de acordo com objetivo que quero atingir? O que eu faço?

Sem problemas, o nosso papel enquanto desenvolvedores técnicos de produtos é sermos críticos e trabalhar em parceria com o fornecedor para que seja feita uma reformulação no produto ou ajuste de algum parâmetro que não obteve bom resultado na análise sensorial ou técnica.

Trabalhoso? Sim, mas todos esses processos são imprescindíveis para o sucesso de qualquer Marca Própria, sendo necessário contar com uma equipe que tenha experiência e excelência em desenvolver produtos, tornando-os assim, competitivos em termos de qualidade e que forneçam aos seus clientes a sensação de comprar o melhor e pagando um preço justo, além de com certeza, fidelizá-los.

 

Por Lucas Silva

Graduando de Engenharia Química, atua no controle de qualidade de produtos de Marca Própria para o varejo.